Skip to content

Vinil, CD, MP3… (Parte 2)

25/10/2009

Vinyl CDE ae, pessoal, tudo bom?

Na parte 1 desse artigo, que trata das diferenças entre áudio analógico e digital (mais especificamente o Vinil, CD e MP3…), expliquei o que se diz quando refere-se à uma fonte analógica de áudio, e o porquê dela ser considerada uma reprodução autêntica da gravação original.

Também comecei a explicar o que a diferenciava de uma fonte digital, e porquê a analógica é considerada melhor. E agora vou me aprofundar um pouco mais nisso, e tentar explicar a razão de audiófilos normalmente preferirem o Vinil.

Bem, como comecei a dizer na parte 1 do artigo, o CD não é uma reprodução exata das gravações ocorridas em estúdio. Alguns, podem se surpreender, mas tem uma pequena mudança alí que faz toda a diferença: a conversão analógico / digital (ou A/D). Quando essa conversão ocorre, por melhor que seja o processo da mesma, existe uma perda de partes da onda.

Isso ocorre pois a informação digital é tratada em bits (hoje lidamos com 16, 24 ou 32, dependendo da resolução desejada). Fato é que, por maior que seja o bit rate, a transformação nunca é perfeita. E só entendendo como a conversão é feita, pra entender a razão dessa “falha”.

Uma onda analógica é constante e ininterrupta (como pode-se observar na figura abaixo). Quando há a conversão A/D, parte dessa onda é perdida, por que a “leitura” da onda pelo conversor é feita em instantes determinados (sample rate – 44.1kHz, 48kHz, 96kHz…), e com uma amplitude máxima.

Mal comparando, é como os pixels em uma câmera digital: imaginem, num gráfico, o eixo X (horizontal) sendo definido pelo sample rate, e o Y pelo bit rate. A intersecção das “linhas do gráfico” determinam o “tamanho da foto tirada da onda”. Quanto maior o sample rate e o bit rate, maior o “número de pixels” na conversão, e assim o detalhamento da “fotografia” da onda analógica. Por maior que seja, ainda não existe algo que digitalize exatamente a onda analógica.

bits_per_sample

Fig. 1: (conversão A/D e o resultado com diferentes bits rates)

Existem algumas pessoas que dizem que a diferença é imperceptível pra 98% das pessoas, quando essa conversão é feita com taxas altas e conversores bons; outras  dizem que isso ainda não ocorre, e que há uma diferença bastante substancial, especialmente pra músicas mais detalhadas.

Fato é que a onda não é mais contínua após a transformação A/D. E, mais interessante, como toda informação digital é processada através de binários (“uns” e “zeros”), a onda não é nada mais do que pontos “ligados e desligados” de voltagem dentro de um processador. Isso faz com que o som que ouvímos em um CD está sendo ligado e desligado constatemente, a uma taxa tão alta que é imperceptível para nosso cérebro, mas perceptível para as extremamente delicadas membranas dos nossos ouvidos. Já ser perguntaram porque nos cansamos mais facilmente de ouvir um CD do que um Vinil?! Pois é…

Agora, é verdade que o CD tem um som mais “limpo”, devidos aos filtros Alias que são utilizados nas conversões A/D, e à eliminação de ruídos. Às vezes é tão limpo, que é necessário usar um tipo de efeito que adiciona pequenos ruídos à gravações, pra soar “mais natural” aos nossos ouvidos. Mas isso é um papo tão técnico, que vocês iriam babar na tela se eu começasse a falar…

De qualquer forma, agora podem começar a entender o porque se discute TANTO a questão CD x Vinil, e como a digitalização da música acabou com a qualidade geral das músicas. Pior ainda fica quando mudamos de CD pra mp3, uma compressão tremenda, mas que vem se tornando cada vez mais comum e “aceitável”. O mp3 é tão detestável em termos de qualidade de áudio, que ele cansa os ouvidos muito rapidamente, e acaba com qualquer produção de áudio bem trabalhada.

Mas isso é assunto pra parte 3 (e última) desse artigo: afinal, se mp3 tb é digital (assim como CD), porque é tão pior?!!? Aha! Veremos…

Abraços!

(Edit: a continuação deste artigo já está publicada: Parte 3)

♣ Ouvindo: Superstition – Stevie Wonder – Talking Book

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: